Descubra o poder das referências nos processos de recrutamento e seleção





Descubra o poder das referências nos processos de recrutamento e seleção

Talvez você conheça alguém que perdeu uma vaga de emprego porque outro candidato tinha o tal do "QI". Não, não estou falando do Quociente de Inteligência, mas do famoso "Quem Indica" ou neste caso "Quem Referencia"


Vejo muita gente perdendo boas oportunidades de emprego porque não têm um "padrinho" e ficam chateadas por causa disso. Há quem diga que isso não é justo e vive com ressentimento por essa realidade. Mas deixa eu te contar uma coisa:


As coisas sempre foram e sempre serão assim.


Imagine que você precisa contratar um pedreiro para fazer uma reforma na sua casa e você coloca uma placa na rua com a seguinte mensagem: "Precisa-se de pedreiro".


Passado algum tempo, um desconhecido te liga, diz que é pedreiro e marca um horário para ver o serviço e dar um orçamento. Na mesma semana, seu vizinho vê o seu anúncio e avisa que tem um primo que é pedreiro e você também chama o primo do seu vizinho para dar um orçamento.


Bem, agora você tem dois orçamentos com preços parecidos de dois pedreiros que você não conhece o serviço. Quem você contrataria? O desconhecido ou o primo do seu vizinho?


A maioria das pessoas contrataria o primo do vizinho porque os riscos tendem a ser menores, afinal de contas, dificilmente alguém correria o risco de estragar uma amizade indicando algo ruim para um amigo, não é mesmo?


As pessoas preferem trabalhar e fazer negócios com quem conhecem e confiam. Essa é uma regra difícil de quebrar.


O empresário e o profissional de recursos humanos também são pessoas e, por isso, também seguem a mesma lógica. Se existem dois candidatos com as mesmas habilidades, a tendência é de contratar o candidato que possua referências. O risco é menor!


Contratar um funcionário custa muito caro, não só pelo salário e encargos, mas principalmente pelo custo de treinar o novato e depois de algum tempo descobrir que a pessoa não é adequada para a função.


As empresas não podem desperdiçar tempo e dinheiro. É a sobrevivência delas que está em jogo!


É muito importante você conhecer e aceitar essa lógica para agir de forma diferente, evitar portas na cara e o desperdício de tempo e energia com ressentimentos. Compreender como funcionam as coisas torna mais fácil o caminho para conquistar seu espaço e construir uma carreira de sucesso.


Antes de concluir, gostaria de saber a sua opinião. Você acha justo que as empresas aceitem referências nos processos de recrutamento e seleção?


Aguardo seus comentários. Até o próximo artigo!


Referência Hélio Morais (Consultor Empresarial),

atualizado por Sérgio Rufino

93 visualizações0 comentário